Casa abandonada abriga família de 22 pessoas em Brejinho

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Mulher de 49 anos diz que “o futuro já acabou”

Numa casa abandonada, do município de Brejinho, no Sertão pernambucano, sobrevive a família de Maria Ednalda do Nascimento Silva, 49 anos, e de Cícero Audo da Silva, 52 anos. Com eles moram oito filhos, dez netos e duas noras. O local é o espaço de sobrevivência dessa família há mais de um mês.

A casa pertence ao Departamento de Estradas e Rodagens de Pernambuco (DER/PE) e fica no Povoado de Placas de Piedade. O imóvel tem duas salas, dois quartos, uma cozinha e um banheiro. Não há portas, nem janelas. “Aqui tem a sombra das telhas e as paredes para proteger meus filhos”, disse Ednalda. O filho mais jovem do casal tem 14 anos, o mais velho 30 anos. O neto mais novo tem 9 meses o mais velho tem 14 anos, nenhuma das crianças estuda.

A família foi cadastrada no Bolsa Família, do Governo Federal, mas não embolsa o benefício, porque não recebeu o cartão do programa. De acordo com Cícero, as 22 pessoas sobrevivem de doações que recebem de populares. “Quem mais nos ajuda é o povo do município de Itapetim”, ressaltou.

Segundo Ednalda, a maior necessidade da família é água potável. Ela percorre um quilômetro para pegar uma lata d’água. A falta de portas e janelas na casa, também foi lembrada pela moradora. Para ela, o acesso livre a residência causa insegurança. “Já passaram de moto atirando nas paredes, não tínhamos pra onde correr”, disse emocionada.

Em 2004, a família de Maria saiu de Brejinho para viver em Araripina, também no Sertão do Estado. No ano seguinte, sua filha mais nova foi assassinada pelo companheiro. Dois anos depois, mais um filho foi assassinado, supostamente por envolvimento com o tráfico.

No ano de 2008, a casa onde moravam pegou fogo, nada foi recuperado. A família tentou reconstruir a casa, mas as condições financeiras não permitiram. “O futuro já acabou, não tenho expectativa de vida melhor. Eu nasci para sofrer”, disse Ednalda.

Depois de altos e baixos, o casal resolveu voltar para Brejinho, na esperança de conseguir trabalho para a família e melhorar a qualidade de vida.

Veja as fotos da família

Por Jean Philippe

6 comentários:

Vanderson Freizer disse...

Quando lemos este tipo de noticia nos perguntamos se o Brasil está mesmo no caminho certo. É preciso maiores investimentos nas pessoas e não em grandes obras publicas que na maioria das vezes não dão em nada.

Anônimo disse...

Este é um dos motivos pelos quais não comemoro o Natal.Uns com mesas fartas; outros nem mesa tem! Essa família faz parte de mais de 1 bilhão de famintos no mundo,conforme recentes notícias,pelo BBC Brasil. Haja miséria!!!
Tico Martins - Rio.

Edna Rangel disse...

Triste realidade!!! Devemos fazer algo por essa família, talvez isso seja muito pouco em relação ao número de pessoas que vivem em extrema pobreza em todo o mundo, mas com certeza fará toda a diferença para essas 22 pessoas.

Anônimo disse...

sou aluna da escola teresa torres. do 2ano a noite. ontem estava debatendo. a respeito, desta familia,com os colegas de piedade e vamos fazer o natal sem fome! queremos ajuda de todos. vamos sair de porta em porta.. não fechem suas poortas.. pq hoje termos amanha talvez não termos mais... então vamos ajudar essa familia..... qualquer podem deixa na escola ou no bar de Telma da nacional... DEUS SEMPRE ESTARA COM NÓS... AMEM...

Anônimo disse...

Quero,em público,parabenizar a essa aluna anônima,bem como aos seus colegas que,sem medir esforços,ajudaram muito a essa paupérrima família de Placas de Piedade,que,aliás me recebeu muito bem quando a visitei e,também,levei a minha contribuição. "Ninguém tem tão pouco que não possa AJUDAR".Meus sinceros parabéns, querida aluna.És uma ótima esparança para um Brasil melhor e mais HUMANO!!!
Tico Martins - Rio.

Anônimo disse...

Minha minima contribuição para essa família chega aí se Deus quiser na próxima semana,um abraço p/Dona Ednalda e Seu Cicero.Geane Amorim Brasília//Águas Lindas......

Postar um comentário